quinta-feira, 10 de março de 2011

Perdido

Como descrever a treva que me invade? A sensação de prisão que se sente em um barco à deriva que ainda não sabe em que cais ancorar? Perdidos nas estrelas apagadas pela lua - a única beleza que ainda consegue se sustentar impassível na negritude da noite.
Pouco a pouco, coisas que me são caras, claras e certas ruem num terremoto imperceptível, deixando uma lacuna que não consigo preencher com palavras. Virtualizar o futuro tornou-se nebuloso, como um gato negro que dorme por entre as folhagens na noite sem luar. O que escrever quando não se consegue limpar o que se pensa? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Delire...