quarta-feira, 2 de março de 2011

Histórias Inusitadas

Sentado num velho banco de madeira, observo atentamente os transeuntes que passam com suas malas sóbrias e suas mochilas rasgadas. Encaro a placa que diz "Aeroporto" e, numa mistura de vazio, saudade e alegria, penso no que faço ali e na minha volta para casa. Meus olhos se fixam numa aeromoça que acende um cigarro próxima à lata de lixo. Ela tem os cabelos cuidadosamente penteados, presos sem um fio fora do lugar, e sua roupa azul me lembra os trajes militares das mulheres. Sua boca está adornada por um batom de vermelho intenso, uma cor viva demais para essa hora da manhã ensolarada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Delire...