quarta-feira, 28 de julho de 2010

Aquela velha história...

Escrevo para ninguém...

Escrevo para mim mesma...

Adoro me surpreender e me reconhecer - ou não! - por meio das palavras...

Sorrio quando a sensação de surpreender a mim mesma me toma num instante...

Como é possível? Achei que conhecia a mim mesma... Mas tenho consciência que não...

Sou complexa até para mim mesma...

Não tente me entender...

Quem se importa realmente com o que o outro pensa?

Quem se escuta?

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Cadê a privacidade?

Nesse mundo 1984, onde conseguimos nos esconder?

What do I know about that?

Às vezes acordo me sentindo esquizofrênica.

Como ter essa percepção de mundo que é só minha?

Às vezes sinto que o mundo é um filme... Que os espiões são 007s e que o vilão está em cada esquina, mas que um dia irá aprender sua lição... Afinal, essas histórias têm que vir de algum lugar!

Mas... o que eu sei acerca disso?

Sou apenas algo indefínivel medido pelo padrão das minhas relações com os substantivos do mundo...

Oh, maldita subjetividade...

Desabafo

Sabe aquelas pessoas que te dão preguiça, que não pertencem ao seu mundo?

Sabe aquelas pessoas que de tão incompreensíveis elas te parecem que acabam parecendo ETs?

Sabe aqueles momentos que você acredita que o mundo só pode ter se aparentado de forma enganosa?

Se seus princípios são bem fundamentados, se sua confiança em si mesmo foi restabelecida, por que ainda caímos na armadilha do caos?

Sou o que sou porque assim o escolhi.

Se és o que não queres ser, então por que continuas?

Muita coisa ainda quero mudar...

Minha natureza nômade vai acabar minando todo o caminho civilizado da convivência social...

A vida é assim: bata no jeans, arrume a bota e monte de novo, cowboy!