segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Sobre a [in]justiça do mundo

A idéia de justiça, a meu ver, surgiu para que os homens pudessem criar formas de se relacionar e sair do "estado de natureza". Ora, a própria noção de meritocracia se usa do conceito de justiça para se fundamentar. Entretanto, não há uma definição apropriada de justiça com a qual eu me contente. 

Se justiça estivesse relacionada com igualdade, o mundo não é justo; se justiça estivesse relacionada com esforço, o mundo não seria justo; se justiça estivesse ligada com a ordem, o mundo não seria justo. Assim, parece-me mais eficiente falar sobre a injustiça do mundo.

Injustiça essa que nos atinge diariamente, que é promovida pelos processos de dominação e pelos jogos de poder. Em maior ou menos grau, todos os indivíduos podem relatar casos de injustiça cotidianos. No meu caso, ainda estou aprendendo a fugir da ideia de que "todo esforço será recompensado". Talvez essa noção tenha funcionado no meu âmbito familiar, mas a sociedade hipócrita força a tradição familiar a ensinar uma cultura que acaba não sendo reproduzida fora da micropolítica. 

Particularmente, não consigo destruir a noção de justiça dos meus sentimentos e isso me causa angústia e sofrimento. Tento esquecer para continuar viver, mas algumas coisas não são racionalizadas e internalizadas como outras.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

~~ em crise

Interessante como os acontecimentos podem mudar alguém. Sinto-me diferente, mais forte e mais frágil, mais confiante e mais pessimista; tudo ao mesmo tempo. A vida te atropela quando você menos espera e as neuroses - as minhas, ao menos - tornam-se tão evidentes quanto diversas. Como uma pessoa em chamas, sinto a ardência em minha pele; fictícia, mas ainda cruel. Acreditava que um pouco de água traria calma, ilusão poética da visão ingênua que me restava. Agarro-me a essa ilusão como alguém que sabe que pode ser jogado do barco a qualquer segundo - e a maré? só tormenta.