quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Mágoa

Não se pode prever o futuro, mesmo quando nos espelhamos no passado. Entretanto, a necessidade de controle e um certo poder preditor nas situações que nos apresentam da mesma forma repetidamente podem guiar as ações.

Quando nos arriscamos sozinhos, nos magoamos sozinhos, temos essa certa sensação de controle. Mas nunca deveríamos envolver os outros nos nossos próprios problemas: magoar, mentir, manipular; essas ações quase cotidianas envolvem o outro - o que deixa sempre mais complicado.

Que tal deixar claros o interesse, a intenção, os fatos - por mais distorcidos que possam parecer pelas tantas visões e interpretações?

Aquele "alô" que diz muito mais talvez devesse significar apenas um "alô". Mas nem sempre funciona assim. Gosto da função fática como forma de testar o canal de comunicação: você ainda está aí?; podemos, ainda, ser amigos?

As más intenções de uns poluem as boas intenções de outros.

Não sou assim. Não QUERO ser assim.

Se sinto saudade, ela é sincera.

Se pergunto se está bem, realmente quero saber o que está acontecendo com você.

Se me afasto, estou tentando proteger (a mim e/ou a você).

Chame-me de ingênua, de idealista. Não me importa.

Apenas quero agir de forma que meu sono continue a salvo - e que meus sonhos não venham me assombrar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Delire...