domingo, 25 de setembro de 2011

Morrer

Ah! A morte!

Num suspiro dos incompreendidos levanto questões acerca da morte...

O que é morrer? Seria a morte física, inabalável e inevitável? A morte celular, energética, viceral? O fim da consciência à qual nos apegamos ao longo dos anos?

Devemos temer a morte? Medo do depois, medo do nada, medo do tudo?

Um grande amigo vê a morte como uma festa e convida todos a brindarem vestidos de roxo; outro, temeroso, calcula e planeja o que será feito de seu corpo e bens.

Eu?

Declaro, ainda imutável, meu desejo de me doar ao outro, próprio da minha necessidade de aceitação e do meu patológico complexo de herói.

Declaro, também, minha total falta de controle sobre minha própria morte: façam o que precisarem para superar a minha presença que poderá ser contínua, incessante, ou, mesmo, efêmera; já não tenho mais certeza.

Salvo um momento como esse, não dedico pensamentos acerca da morte: foge-me o desespero do além, do infinito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Delire...