quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Capítulo 2

Odeio quando o sol da tarde entra pela janela trazendo um ar seco, abafado e cozido. Meu cigarro já são tem o mesmo gosto e tudo parece evaporar em um estante. Toca o telefone, Como uma fugitiva, quase me escondo ao ouvir aquele trim alto que tenta despedaçar meus tímpanos. Não sei se quero atender. Mais dois toques se passaram. Pego o teleone relutante e com minha voz falha digo um simples "alô". Me convidam para estudar, estudar o que já sei, estudar o que não me interessa. Encontrar essas pessoas não me apetece mais que um pedaço de massa crua de pão.
O outro me vê como inimigo, um inimigo cujo maior crime foi não querer se dividir, se expôr e deixar com que tocassem no seu eu mais secreto. Não ataquei ninguém, a não ser por reação ao me sentir acuado, como um animal. Tampouco tentei me aproximar: o outro não me instigou tanto assim. Quando a aproximação soa muito difícil, destoante, talvez é porque ela não deva acontecer. Me esforçar infinitamente para tentar achar uma quina de padrão à qual possa me apoiar para que se gere uma faísca de afeto irreal me soa chato e incompreensível. Não compreendo o outro e esse não pode me compreender de forma alguma. Mais que não poder: eu não o quero me compreendendo.
Se o outro me compreende ele deve ser mais confuso do que eu e seus pensamentos devem sempre se alinhar de forma completamente aleatória, embora organizada à sua própria maneira. Não desejo isso para nenhum outro. Por que eu tenho que ser julgada por saber separar as coisas enquanto o resto do mundo não?
Hoje, entretanto, quero ver todos aqueles "outros" que não se sentem ameaçados apenas pela minha existência. Hoje quero ver aqueles "outros" que entendem o que concerne a mim e só a mim e o que concerne às outras áreas categorizadas e pré-definidas da minha vida como um ser social.
Não mexam em minha potência. Deixe-me ser puro devir, só por hoje. Deixe-me exercer, só por hoje, toda minha potência de não-ser. Não me julgue. Não, hoje acho que vou encontrar outros corpos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Delire...